quinta-feira, 14 de setembro de 2006

Uma picada nas costas

Ora bolas! Eu sei que tenho muito para fazer, mas não me apetece nada voltar já para Londres... Mais uma semanita seria bom... Isto de comprar bilhetes com antecedência imaginando quanto tempo levará para matar as saudades não resulta.

E, quando voltar, já a Carlotinha estará maior. Não estarei cá quando der o seu primeiro miado-que-se-ouça. Não estarei cá quando partir a sua primeira jarra. Não estarei cá quando lhe der a sua primeira diarreia e lhe cortarem as unhas. Bom, ao menos estive com ela na sua primeira vacina. Foi hoje. Detestou. Agora está a um canto quietinha a pensar no que teve de passar: a temperatura que lhe tiraram pelo lado que não deviam, a pica no cachacinho que teve de ser dada em duas levas porque alguém não a soube controlar...

Ela está que parece que perdeu a confiança na raça humana, que só lhe dava carinho e comida, e agora leva com uma picada nas costas!

Mas eis que vê um cursor no monitor a andar de lado para o outro e umas letrinhas a aparecer que parecem umas lagartinhas todas seguidinhas. E eis que surgem na parede, no chão e na saia castanha para onde pula as suas amiguinhas preferidas de brincadeira: as sombras. Pronto, já esqueceu.

4 comentários:

Raquel Alão disse...

Pois... Isso de perder a confiança na raça humana acontece aos melhores... :-) A gata é realmente muito linda.

Rodrigues disse...

Leva-a contigo... ;)

Joana disse...

Quem me dera... Mas não tenho meios para manter uma gatinha aqui em Londres: apartamento pequeno, tempo cinzento, ninguém para tomar conta dela quando estivéssemos os dois a trabalhar fora. Em Lisboa, ela está acompanhada por 2 gatos malucos (mas não mais malucos que ela!).

Rodrigues disse...

Eu percebo. Mas desde que percebi que havia uma coisa chamada pet-sitting, que já estou mais descansada. Em Londres, então, deve haver aos montes!;)

(Este anos pudemos ir de férias descansadinhos, sabendo que as gatinhas estavam bem entregues e não tiveram de sair de casa.)